ALTERNATIVOS




A ARTE ALTERNATIVA é independente, é qualidade que sai da quantidade, criação experimental, progresso, poiesis.

É a barca dos Argonautas, Noé e Colombo; é o desafio, o risco de sair da borda do mundo, ultrapassar Tordesilhas, ser bandeirante das linhas imaginárias, fronteiras arbitrárias entre letras, sons e desenhos, que só limitam e castram.

É Boca do Inferno, cordel, criptografia de Poe (never more, filosofia da composição!), é rimar a escrita automática de Artaud com a alquimia do verbo de Rimbaud.

É Augusto dos Anjos, Nietzsche, Sade e Foucault, Ionesco e Qorpo Santo. É a noite na taverna, é o método paranóico-crítico de Dali, é a lei do ''faze o que queres'' do mago Aleister Crowley e de Raul Seixas.



É a antropofagia de Mário de Andrade, Semiótica e Concretismo, poema processo, latina sabedoria da Libertação, Diógenes e Epicuro, Tolstói e Bakunin.

Trocadilhos visuais, sutis metáforas icônicas permeiam estes trabalhos experimentais - que, como toda vanguarda, devem agradar a poucos.

Esta é a principal função dos FANZINES , da imprensa alternativa e underground: publicar o impublicável.



Voltar




Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton