PROJETOS CIENTÍFICOS




HOLOICONESO: HOLOGRAFIA SUBLIMINAR


Projeto de Pesquisa do Laboratório de Holografia da Uniceb.

Proponente do Projeto:
Professor Titular Flávio Mário de Alcântara Calazans.( Doutorado, ECA-USP).

Coordenador do Laboratório de Holografia:
Carlos Henrique Barroqueiro ( Doutorado, Poli-USP)

Tipologia da Pesquisa/Cronograma:
Na primeira fase, pesquisa Básica ( primeiro ano, 1991); na segunda fase, Aplicada e na terceira fase, Comercial ( correndo paralelamente no decorrer do primeiro e segundo semestres de 1992 ) e no primeiro semestre de 1993, avaliação institucional e implantação como projeto permanente do Núcleo de Pesquisa em Holografia.

1) Considerações preliminares.

A Holografia apresenta-se como tecnologia da luz empregada para geração de imagens de alta tecnologia cujas aplicações em pesquisas são virtualmente ilimitadas, sendo as linhas de pesquisa mais abertas a abordagens inovadoras (cientista revolucionário, conforme Kuhn) as de comunicações e artes.

Tal tecnologia de produção de imagens de alta resolução apresenta diversas possibilidades inexploradas até agora, 1991.

Em sendo uma das funções da Universidade a pesquisa , produção de conhecimentos novos e geração de descobertas, e em tendo a Uniceb sua própria mesa de holografia já edificada e instalada, e o espaço físico de um Laboratório de Holografia adequado às necessidades de pesquisa, pode-se produzir peças que coloquem nossa Universidade à frente das concorrentes que não dispõe de tal material e facilidades, bem como pessoal qualificado.

A curiosidade pela nova tecnologia emergente atrairia atenção, sendo notícia, e com boa administração de mídia pode-se captalizar espaço editorial em jornais, revistas, TV e rádio, com o benefício de associar alta tecnologia à imagem empresarial da Uniceb, rendendo, a médio prazo, repercussão no ato decisório de compra do serviço-ensino pelo vestibulando.


2) Objetivos:

A) Objetiva-se aplicar a Semiótica Subliminar aos processos de gravação holográfica, adaptando gêneros e espécies de Iconesos ( fase inicial, pesquisa básica).

B) Formatar as tecnologias iconesas compatíveis em hologramas que aprentar-se-ão como nova tipologia de suporte-luz aos signos subliminares : Holoiconesos ( segunda fase, pesquisa aplicada).

C) Avaliar as possibilidades de aplicações didáticas e comerciais dos holoiconesos ( terceira fase, pesquisa comercial ).

D) Esboçar os parâmetros de um paradigma versando sobre o pensamento visual tridimensional ( Eixos X, Y e Z ) frutos destas esculturas de luz ( Nova pesquisa básica-teórica, agora como projeto permanente).


3) Justificativa:

A criação teórica e prática desta nova família de signos subliminares, Holoiconesos, vinculada à Uniceb será um trunfo de marketing reforçando seu nome frente ao presente e futuro aluno-cliente.

Os Holoiconesos poderão vir a ser aplicados com fins estéticos de decoração de ambientes, design, Holoarte , Holopoesia, Holoescultura, etc..; em vitrinismo para lojas de varejo -shopping centers; brindes e cartões de visita ou mala-direta ou presente de natal para empresas; publicidade-marketing de eventos ou instituições, comercializados sob encomenda; estatuária de arte sacra para Igrejas; além de outras aplicações surgidas no decorrer das pesquisas.

Aplicações didáticas com produção de material para outras Universidades e centros de pesquisa ( Medicina, Engenharia, Geografia, etc..ver abaixo) oferecimento de cursos e workshops a estudantes desde o segundo grau até a pós-graduação, demonstrando a tecnica e suas aplicações, incluindo produção de holograma pelo próprio aluno ( viável devido ao baixo custo de produção, cerca de um dólar por peça), a verba captalizada com estas atividades pode ser revertida parte para a Uniceb, parte para manutenção do próprio Laboratório de Holografia, reduzindo o investimento e tornando favorável a relação custo-benefício para a Uniceb.

A descoberta do neologismo Holoiconeso pode ser divulgada na mídia algumas semanas antes da data de inscrição dos vestibulares, atraindo mais matrículas.


4) Metodologia:

Primeira Fase: Pesquisa Básica.

A) Catalogação dos gêneros e espécies de iconesos, estudo das possibilidades e potencial tridimensional-holográfico de cada uma das espécies.

B) Formatação das modalidades mais promissoras ao processo de registro no holograma e/ou sua sintaxe com outros materiais e suportes translúcidos ( vidros moldados, ou gravados em jato de areia, acrílico modelado, tecidos e plásticos com silk, gelatina comestível, etc..).

C) Interferometria: deslocamento de objeto durante a holografia, gerando entropia no holograma, em cujas listras (border-lines) podrá surgir o processo da Gestalt de Figura-Fundo, inserindo alí iconesos de diversos graus de subliminariedade.

Segunda e Terceira Fases: Pesquisa Aplicada e Comercial.

D) Pesquisa de Mercado sobre possibilidades de comercialização e viabilidade de produção de material didático (peças de motores para engenharia mecânica, orgãos humanos para medicina, etapas de dissecação veterinária de diversas espécies, maquetes para arquitetura, mapas geológicos tridimensionais, arcadas dentárias para odontologia, processos e reações quimicas ampliados muito além da capacidade dos microscópios, testes de resistência de materiais, imagens virtuais e simulações diversas em computador, etc..).

E) Após acumulado um acervo de 10 a 20 hologramas bem sucedidos , realizar-se-á uma exposição com ampla cobertura da mídia , com vernisage patrocinada pelos Vinhos Almadén na Galeria de Arte Uniceb, apresentando ao público os resultados, com questionários para avaliação do impacto do material inovador.( Holoarte, Holopoesia Concreta, Hologramas cinéticos, etc..)

F) Esboço teórico preliminar de uma teoria estética dos Holoiconesos com base nos resultados auferidos.



5) Referência ao Estado da Técnica:

O Processo da Holografia e seu produto final Holograma foram criados por Dennis Gabor em 1947, valendo-lhe o Prêmio Nobel de Física pela criação deste novo gênero de imagens técnicas.

Lloyd Cross desenvolveu o holograma composto ou cinético, gerando uma nova tipologia de imagens em desenvolvimento pela Kodac, segunda geração de imagens de luz pós-fotográficas, pós-históricas ( Vilém Flusser e sua Filosofia da Fotografia).

Os Holoiconesos podem vir a ser uma nova geração de imagens técnicas, a terceira geração .

Segundo o PhD David Bohn (Inglaterra) e o PhD Carl Priban (USA) o novo paradigma holográfico permite uma ruptura epistemológica com consequências imprevisíveis para o estudo do pensamento visual, ambos aplicando o conceito jungniano de sincronicidade aos hologramas.

Somam-se a estas pesquisas os resultados da Holografia Digital do brasileiro Eduardo Kac, percebendo-se o potencial da computação gráfica para uma intersemiose-intermídia de imagens virtuais, sintéticas, com modelos biológicos, cujas possibidades abrem um campo teórico-prático na Biotecnologia.

As analogias percebidas por Kac entre Geometria Fractal (auto-similaridade das partes do holograma) com as caracteristicas da morfogênese (Kawagushi) aponta caminhos para a subliminariedade holográfica nunca vislumbrados antes.

Os Holoiconesos podem vir a ser comercializados como obras de arte, Holoarte , como os hologramas do australiano Alexander que alcançam no mercado internacional preços na média de 20 mil dólares, sendo o custo de produção técnico cerca de um dólar .

Tais Holoiconesos produzidos com fins estéticos e de espetáculo podem ser empregados em todos eventos e atividades sob planejamento de Relações Públicas frente ao público interno e externo da Uniceb, com o impacto da Holoarte Cinética.

[Este projeto foi proposto em 1991, não obtendo despacho nem deferindo, nem indeferindo-o, arquivado ''em estudos'' até 1995 quando da saída de Calazans da Uniceb , aprovado em primeiro lugar no concurso público da Unesp onde desenvolve outros projetos]

Voltar





Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton
Ilustração feita por Renê Dalton